Digital facility management Facility Management Gestão da Empresa Inovação Inovação digital Limpeza Comercial e Residêncial Proptech Proptech Brasil Tendencias

Qual a diferença entre PropTech, ConstruTech, ConTech e ReTech?

Como deveria ser chamada uma startup que resolve um problema de uma empresa atuante na cadeia da construção e imobiliário?

Alguns acrônimos usados para se referir a uma startup do setor

Ao redor do mundo há várias nomenclaturas para se referir a uma startup que atua na cadeia da construção e imobiliário.

ConTech: É usado especialmente nos EUA para se referir a startups relacionadas ao ambiente de obra. Foi popularizado pelo pessoal do ConTech Trio um dos principais agentes fomentadores de inovação no mercado americano.

Constructech: Termo também nasceu nos EUA, e acaba tendo seu uso muito ligado ao mesmo contexto do anterior. Se popularizou entre outros fatores pela atuação do portal de notícias Constructech.com. Tendo ainda sua derivação para o português onde se exclui o C, ficando apenas Construtech.

Como inovar na era da transformação digital? Confira!

Proptech: Expressão usada para se referir a startups que atuam com tecnologia para “Property” (propriedade). Se popularizou na Europa e em grandes centros urbanos como Nova Iorque e Singapura. Foi abraçado pelo pessoal do MIPIM, maior evento de real estate do mundo.

ReTech: Termo apesar de não ser exclusivo, é usado em alguns locais como referência a startup voltadas ao Real Estate, mas vem caindo em desuso por se confundir com a mesma escolha da industria de “Retail”.

GreenTech: Termo emergente sendo usado para startups com propostas de tecnologia envolvendo sustentabilidade ambiental.

E ainda tem as startups que não são especialistas do setor

Além desses, há inúmeras terminologias criadas dentro de setores específicos ligados a outras indústrias.

As Fintechs, por exemplo, são a referência para as startups que trabalham tecnologia ligada a serviços financeiros; LegalTech, representa aquelas soluções relacionadas ao ambiente jurídico; Regtech, é um dos filhos mais novos, e vem se popularizando como a referência para “regulatory technology”, fruto da popularização da blockchain.

Não me surpreenderia descobrir que há ainda meia dúzia de nomenclaturas sendo usadas, que ainda nem cheguei a conhecer.

Inovação em Facility Management, confira a matéria!

Vamos complicar as coisas?

Agora que você conhece alguns termos comumente usados ao redor do mundo, deve ficar mais fácil entender qual o mais adequado para se referir a uma startup, certo?

Ok, então responda.

O que seria uma startup cuja solução se propõe a acabar com os cartórios, usando para isso a blockchain e que tem como proposta de valor intermediar a operação do financiamento imobiliário entre o consumidor final e o agente investidor.

Uma fintech? proptech? regtech?

Ou imagine uma startup que atue com crowdfunding voltado ao financiamento da obra, ela seria uma construtech? fintech? ou outra whatevertech?

Por mais termos que existam, parecem não serem suficientes para permitir o enquadramento de todas situações possíveis.

O Brasil e as Construtechs

O último ano foi bastante marcante para a transformação digital na cadeia de construção e imobiliário. O ecossistema de inovação no setor começou a se fortalecer e as startups, investidores e profissionais da construção cada vez mais estão se identificando com o termo Construtech.

Confira o mapa!

1º Mapa Brasileiro de Construtechs do Brasil

O olhar a partir do problema

A principal razão de, desde o início, termos acolhido o termo Construtech, foi por considerar esse o mais abrangente e capaz de remeter a toda uma cadeia. Independente do idioma ou região a combinação do prefixo CONSTRU com o sufixo TECH, remete diretamente ao tecnologia para o setor de construção.

Inovação e tendências em Facility Management, confira!

Outro ponto, para nós, é ter um olhar de toda a cadeia produtiva permitindo-nos englobar os grandes problemas e oportunidades de inovação de várias áreas do setor.”

“Cadeia produtiva é um conjunto de etapas consecutivas, ao longo das quais os diversos insumos sofrem algum tipo de transformação, até a constituição de um produto final (bem ou serviço).” — FIESP

As PropTechs também tem seu espaço

Nem sempre é tão claro o entendimento sobre qual cadeia de valor o seu mercado pertence. Em especial, quando sua solução está muito atrelada a atender o consumidor final, que ocupa uma propriedade.

Pelo mundo muitas startups estão focando em gerar valor ao final do ciclo de produto, buscando melhorar a eficiência dos ativos imobiliários, trazer melhor experiência para o habitante do imóvel, compondo diferentes modelos negócios que em alguns caso até muda a dinâmica da cadeia.

Por isso entendo que um segundo termo emergente e bastante popular fora do Brasil, pode ser também plenamente usado por aqui, o PropTech.

“PropTech é uma startup que gera valor em torno de uma propriedade imobiliária através de um negócio de base tecnológica.”

Imagino que os dois termos conseguirão contemplar todas startups que atuam diretamente ou indiretamente com a cadeia da construção.

Do lado das ConstruTechs vemos startups ligadas mais diretamente a:

  • • Extração
  • • Industria de materiais (produção e distribuição)
  • • Ciclo de obra e incorporação
  • • Serviços de reformas
  • • Soluções financeiras ligadas a ciclo de obra

Do lado das PropTechs vemos startups ligadas mais diretamente a:

  • • Intermediação imobiliária
  • • Serviços para o morador
  • • Condomínios
  • • Gestão de ativos imobiliários
  • • Soluções financeiras ligadas ao consumidor final

Naturalmente pode existir uma zona comum entre uma ConstruTech e uma Proptech, o que não vejo como um problema.

Conclusão

O intuito desse artigo foi compartilhar a reflexão e experiência que tivemos acerca do amplo acervo de acrônimos usados para se referir a startups na cadeia de construção e imobiliário, e melhor explicar seus conceitos.

Acreditamos que os termos Construtech e Proptech por conseguirem contemplar bem a abrangência de inovação que esperamos ver no setor nos próximos anos, e terão cada vez mais visibilidade no Brasil.

O intuito aqui não é impor um padrão, mas esclarecer que há diferentes expressões usadas em diferentes contextos, países e idiomas.

Dependendo do país com o qual quer se conectar, busque usar a expressão que melhor faça sentido nesse local, e terá maior chance de encontrar o que procura.

Gostou? você pode ter interesse na seguinte matéria que fala sobre a terceira onda TECH no real Estate!

Fonte: Construtech Ventures.
di20 DESENV.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s